Rua Estela 515, Bloco B - Cj 62 - Paraíso - CEP 04011-904 - São Paulo - SP - Tel.: (11) 5572.9070  -  5573.9835

Concurso ALIMENTOS 2007

TRABALHO VENCEDOR

 "MONITORAMENTO E EFICÁCIA DE UM PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO”

Autora Principal: Profª.Dra. Raquel de Andrade Cardoso Santiago
Co-Autores: Alexandre Mendes Vieira / Ana Cristina de Castro Pereira / Elza Maria Caixeta / Estelamaris T. Monego / Giselle da Silva Freitas / Márcia Armentano C. Reis / Márcia Regina de Moura Dias / Márcia Helena S. Corrêa / Maria Raquel H. Campos / Daniela Silva Canella / Lívia Emi Inumaru.

RESUMO

1 - Introdução

A segurança alimentar e nutricional consiste na realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade e em quantidade suficiente, de modo a permitir ao indivíduo uma existência digna. Partindo da idéia de que a alimentação fornecida ao aluno na escola insere-se no contexto da Política de Segurança Alimentar e Nutricional, foi criado em 1954 o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), que visa assegurar a segurança alimentar e nutricional dos alunos durante sua permanência na escola a partir da transferência de recursos financeiros federais para os estados, municípios e Distrito Federal (MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, 2006; PINHEIRO, 2001).

Tendo em vista o papel fundamental da alimentação na definição do estado de saúde dos escolares, foi proposto um estudo intersetorial que visa avaliar e monitorar a qualidade da alimentação escolar em Goiás. O presente trabalho propôs a análise dos recursos físico-funcionais, dos equipamentos e utensílios e dos hábitos de higiene dos manipuladores envolvidos na produção da alimentação escolar.


2 - Metodologia

A amostra do estudo foi composta por 704 escolas públicas federais, estaduais e municipais do estado de Goiás, sorteadas aleatoriamente através do método probabilístico estratificado, sendo representativa do universo total (3.527), com intervalo de confiança de 95% e erro aceitável de 10%(Epi-Info, versão 2003).

Para a coleta dos dados foi utilizado um check list, aplicado por fiscais da vigilância sanitária, previamente capacitados. Este instrumento contemplou higiene pessoal, condições da edificação (higiene e conservação ambiental), equipamentos e utensílios, higiene operacional e processamento. As condições das instalações, armazenamento e higiene foram observadas e anotadas e os demais itens foram argüidos às merendeiras durante a vistoria. A análise dos dados foi realizada com base na resolução nº 216de 15 de setembro de 2004 e contemplou 650 amostras (92,33%).


3 - Resultados e Discussão

Em relação à higiene pessoal dos manipuladores de alimentos, às condições físico-funcionais dos locais onde a alimentação escolar é produzida, às condições dos equipamentos e utensílios de produção, e às condições operacionais e de processamento da alimentação escolar, ainda há um número significativo e importante de casos de inadequações. Estas precariedades acabam resultando em um maior risco de ocorrência das DTAs que, atualmente, são apontadas como um dos maiores problemas de saúde no mundo.

Tais precariedades foram comprovadas por Canella (2007) que, ao estudar as condições microbiológicas da alimentação escolar em Goiás, detectou inadequação microbiológica em 8% das amostras. Embora esse percentual pareça relativamente pequeno, não deixa de ser significativo, visto que todo caso de contaminação já pode ser considerado um problema de saúde importante.


4 - Conclusão

Os dados obtidos neste trabalho permitem concluir que, nas unidades escolares analisadas, a qualidade dos recursos humanos e dos recursos físico-funcionais envolvidos na produção da alimentação escolar é pouco satisfatória, representando risco à saúde das crianças e, consequentemente, risco de insegurança alimentar. Propostas para a melhoria deste quadro envolvem os cursos de capacitação eficazes e contínuos e a mobilização de diversos segmentos da sociedade em prol a um objetivo comum, que é o de garantia de uma alimentação escolar mais digna e segura.


5 - Referências

CANELLA, D.S - Avaliação e monitoramento da qualidade da alimentação escolar em Goiás. Goiânia, 2007. 18 p. Relatório Parcial (Programa Institucional de bolsa de iniciação científica) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2007.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Dispõe de normas para execução do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Resolução RDC nº 32 de 10 de agosto de 2006. Publicada no Diário Oficial da União de 14 de agosto de 2006.

PINHEIRO, T.S. É hora da merenda. Brasília, 2001. 60p.

Autor a ser contatado:

Prof Dra Raquel de Andrade Cardoso Santiago

Rua 227, Qd 68 Setor Leste Universitário – Tel (62) 5211824 / 32096178 – Email: rcardosu@fanut.ufg.br



Patrocínio









ABERC - Comissão de Eventos


 

2008 | Aberc - Todos os direitos reservados | Design by Idéia Digital